DMAD

Quintal dos Sons

A instalação “Quintal dos Sons” é sonora/plástica/visual ou simplesmente “multimédia”, proporciona um momento de imersão e contato tecnológico, sem, contudo, se desviar da dimensão sinestésica. Através do artefacto “Quintal” busca levar os fruidores a ficarem sozinhos num espaço escurecido. Assim que chegarem à entrada do espaço receberão um postal com as informações sequenciais da instalação. Ao avançarem no espaço, um vídeo começará a ser exibido. Esse vídeo traz a seguinte narrativa:

O som do universo; o vento; o primeiro som que o ser humano ouve (batidas do coração). Coração que caminha (som da caminhada), que passa por (rios e mares), e atravessa o oceano. Vive o caos do presente (vida em trânsito: instabilidade, angústia, irritação…). Mas quer repousar, refletir, ser o que é: “essência”, e desligar-se do mundo (tela preta, sem imagens), sair do caos e ser apenas coração (mantra do coração).

O Quintal tem como objetivo refletir sobre os sons na pós-modernidade. Traz em sua sequência a relação histórico-musical da autora. Desde o quintal como representação do íntimo (particular) ao global (expressivo, abrangente e comum). Dessa forma, é perceptível que o caminho do som faz referências a paradoxos comuns do cotidiano. Apresenta o distanciamento das pessoas em relação ao som, na sua forma mais natural ou simplesmente do ato de “apreciar”, “ouvir” e sensibilizar-se. A “metáfora do coração” permeia todo o percurso sonoro.

Rosimária Sapucaia Rocha é brasileira, estudante do segundo ano do Doutoramento em Média Arte-Digital na Universidade Aberta de Portugal; Licenciada em Música e Pedagogia, possui Mestrado em Artes pela Universidade Federal da Bahia. Atua como Professora de Canto, Educação Musical e Cantora. Atualmente mora em Lisboa. Traz em sua instalação intitulada “Quintal dos Sons”, suas inquietações acerca dos sons na pós-modernidade e seus percursos sonoros. Busca refletir sobre a música, o tempo e a tecnologia.