DMAD

Média-Arte Locativa na Apreensão do Espaço Urbano – Isabel Carvalho

A média-arte locativa conjuga arte e tecnologia, incentiva e explora intervenções de vivência do espaço público.

O espaço físico urbano é encarado como matéria-prima a ser trabalhada. Enquanto laboratório “a céu aberto” os artistas exploram novas abordagens e formas de intervir sensorialmente. Exploram as múltiplas dimensões que configuram o espaço urbano, no qual se alocam as problemáticas associadas à sua apreensão – envolvendo questões como a apropriação espacial, as marcas (tangíveis e intangíveis) de dinâmicas que nele acontecem, o respetivo legado (material e imaterial) para a conformação de experiências individuais e por vezes a consolidação da memória coletiva de comunidades. Esta apreensão passa também pelo reconhecer e entender os espaços com a sua história e histórias, as suas memórias e lendas, refletindo-se em enriquecimento cultural.

As derivas urbanas apresentadas exploram os sentidos, desenham linhas/trajetos/percursos que geram e são por sua vez geradoras de narrativas psicogeográficas e influenciam a forma de perceção, construindo novas vivências.

O ato de caminhar apoiado por dispositivos móveis, permite por um lado intervir e ler a paisagem urbana, permitindo por exemplo a criação de mapas psicogeográficos e cartografias colaborativas, possibilitando novas experiências de perceção e experimentação, regenerando e incentivando a utilização do espaço público.

Proporciona também uma abordagem qualitativa no pensar o espaço urbano, envolvendo a população através das suas memórias, da sua apropriação e do modo como o espaço é transformado por elas. Documentando deste modo legado de vivências, modos de aculturação e de apropriação do espaço.

Isabel Carvalho é licenciada em Arquitetura pela Escola Superior Artística do Porto (2001), pós-graduada em Planeamento e Projeto do Ambiente Urbano pelas Faculdades de Arquitetura e Engenharia (2004) da Universidade do Porto e pós-graduada em Gestão de Centros Urbano pela Universidade Moderna do Porto e Núcleos Urbanos de Pesquisa e Intervenção (2003). Doutorou-se em Média-Arte Digital pelo Departamento de Ciências e Tecnologia da Universidade Aberta e Faculdade de Ciências Humanas e Sociais da Universidade do Algarve (2016), com a tese “Média-Arte Locativa e Mapeamentos Dinâmicos na Compreensão de Fluxos Urbanos. O contributo do dispositivo móvel no exercício do caminhar como prática artística”.

Foi investigadora de pós-doutoramento em Animação Computacional na Faculdade de Media & Comunicação – Bournemouth University, UK (2018-2019). Em 2019, o seu projeto de investigação “Gender in Map – women empowerment in planning and urban development” foi selecionado para financiamento no 1.º Concurso de Estímulo ao Emprego Científico – Individual da Fundação para a Ciência e Tecnologia (FCT).

Interesses de investigação: Desenvolve investigação em processos de mapeamentos colaborativos e visualização de informação. O foco da sua investigação e prática artística é a interação entre as pessoas, o espaço urbano e a tecnologia. Explora vários processos de apropriação e de apreensão dos espaços urbanos, parte deles desenvolvidos com a comunidade de forma colaborativa e intergeracional.