DMAD

Impulso e Deriva na Produção da Imagem Artística – Pedro Cabral Santo

Impulso e Deriva na Produção da Imagem Artística

Neste seminário serão discutidos os dispositivos de criação e de fruição da arte na Contemporaneidade. De que forma é possível continuar a gerar imagens artísticas num universo complexo e hiperimagético?

Através da análise da sua própria obra, e da obra de outros criadores, Pedro Cabral Santo vai discutir o papel dos artistas, e da arte, em torno de problemas ancorados nas nossas sociedades – fenómenos político-sociais relevantes e imprevisíveis, relacionados com a incessante disseminação de múltiplas e diferentes linguagens que constituem a essência do nosso mundo contemporâneo, e que se manifestam formalmente de maneira híbrida.

Pedro Cabral Santo estudou Pintura e Escultura nas Faculdades de Belas-Artes de Lisboa e Porto e é licenciado em Artes Plásticas – Pintura (1995) pela Faculdade de Belas-Artes de Lisboa. Em 2006 concluiu o Mestrado em Pintura pela Faculdade de Belas-Artes de Lisboa e Doutorou-se em Belas-Artes – especialidade Imagem – também pela Faculdade de Belas-Artes de Lisboa (2011).

Foi subcoordenador do Curso de Artes Plásticas da Escola Superior de Arte e Design das Caldas da Rainha, e leccionou na Faculdade de Belas-Artes de Lisboa, no Curso de Arte e Multimédia. Ingressou na Universidade do Algarve, em 2008, para leccionar na Licenciatura de Artes Visuais. Desde 2015 é professor Auxiliar da instituição. Actualmente é o director do Curso de Artes Visuais e o vice director do Doutoramento em Comunicação, Cultura e Artes da Universidade do Algarve.

Nos últimos 20 anos tem vindo a desenvolver as actividades de artista plástico e comissário de exposições, destacando-se os eventos Tilt (Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa), O Pedro e o Lobo (Museu do Neo-realismo, Vila Franca de Xira), Ill Communication (com Carlos Roque, Sala do Veado, Lisboa), X-Rated/ Autores em Movimento (Galeria ZDB, Lisboa), O Império Contra-Ataca (co-comissariado, Galeria ZDB/Institulo La Capella (MACBA), Lisboa e Barcelona),Espaço 1999 (co-organizador, Museu de História Natural, Lisboa), Fernando Brito 1983-2010 (Centro Cultural Vila Flor, Guimarães) e Manuel Vieira – CASA (Cordoaria Nacional, Lisboa).

Expôs no Museu do Chiado (2011) a obra Sem Dó, com Ré (homenagem a Sá de Miranda), trabalho incluído nas comemorações dos painéis de São Vicente de Nuno Gonçalves, realizado em parceria com a artista Lula Pena.

Em 2016 realizou Dragon´s lair, na Ermida de Nossa Senhora de Belém e (E)motions, na Galeria Zarathan. Em 2018, realiza a exposição antológica relativa a trinta anos de trabalho intitulada Endless, no Centro Cultural Vila Flor, Guimarães.

Como membro do Pogo Teatro participou em diversos espectáculos levados à cena pelo Grupo, através da produção de textos, realização cenográfica e também como performer/ actor.

Foi também fundador dos projectos artísticos Autores em Movimento (Greenhouse/Jetlag/X-Rated) e featuring (Unlovable). No plano musical, foi membro fundador do projecto musical IK-MUX e, actualmente, coordena o PROJECTO FUZIVEL, música experimental de fusão.